QUASE 800 CASOS INCONCLUSIVOS ESCONDEM E MAQUIAM A REALIDADE DA COVID-19 EM MACAU

 


A política de saúde pública em Macau com a Covid-19 revela mais um dado alarmante, diagnosticado pela atual gestão da Secretaria Municipal de Saúde. Perto de 800 notificações estão inconclusivas, devido à falta de gerenciamento do setor epidemiológico, na gestão que se encerrou em 31 de Dezembro. 

Esses números revelam casos notificados em pacientes suspeitos, que sequer chegaram a realizar testes para Covid e outros não monitorados pela Secretaria Municipal de Saúde.
Ao consultar o Fundo Municipal de Saúde, constata-se que o município de Macau recebeu R$ 3.317.654,50, somente para rastreamento e monitoramento foram repassados e gastos R$ 72.000,00. Com tantos casos inconclusivos, percebe-se que os gestores da época priorizaram outras ações.

Pode-se ver, por exemplo, de acordo informações do Portal da Transparência, que foi gasto mais de R$ 900 mil com desinfecção e higienização de prédios de uso comum. Outra situação identificada pela gestão de Dr. Zé Antônio foi que o município recebeu repasses financeiros para implantar o Centro de Atendimento ao enfrentamento a COVID-19. Que foi cadastrado no "Hospital de Campanha", fechado cruelmente no momento de ascensão da 2ª onda da doença.

Agora, a Secretária de Saúde já está a realizar um novo Plano de Contingência ao enfrentamento a COVID-19 e tem pressa para reabrir o Centro de Atendimento ao enfrentamento a COVID-19. 

Outro fato lamentável que atesta a falta de gerenciamento do setor foi que o município deixou de receber mais de R$ 180 mil reais para enfrentamento a COVID-19, por inconsistências cadastrais nos sistemas de informações do SUS.

A Secretária de Saúde, Terezinha Menezes, disse que: "pegamos uma situação de enfrentamento a COVID-19 quase que inexistente, praticamente sem testes e sorologias. Muitos casos em aberto e uma desorganização no rastreamento e monitoramento. Agora estamos trabalhando para reabrir o Centro de Atendimento ao enfrentamento à COVID-19 nos próximos dias".


Nenhum comentário: