CPI DA COVID OUVE NESTA QUINTA-FEIRA O MINISTRO DA SAÚDE E O PRESIDENTE DA ANVISA

     A CPI da Covid chega nesta quinta-feira (06) ao terceiro dia de depoimentos. Durante a sessão, serão ouvidos o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e o diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres.

    A comissão foi criada para apurar ações e omissões do governo federal no combate à pandemia e para fiscalizar a aplicação de recursos federais por estados e municípios contra a Covid.

    Nos últimos dias, a CPI ouviu os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich (clique nos nomes dos ex-ministros para ler detalhes dos depoimentos). Durante os depoimentos, Mandetta e Teich expuseram aos senadores as divergências que tiveram com o presidente Jair Bolsonaro sobre ações de combate à pandemia.

    Depoentes desta quinta-feira, o ministro da Saúde e o presidente da Anvisa participarão da reunião da CPI na condição de testemunhas. Por isso, terão de se comprometer a dizer a verdade, sob o risco de incorrerem no crime de falso testemunho.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Compra e aprovação de vacinas

    Assim como ocorreu com Mandetta e Teich, antes de começarem a responder às perguntas dos senadores, Queiroga e Barra Torres terão alguns minutos para fazer uma exposição inicial sobre o que fizeram em seus cargos.

    Na sequência, o relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), fará as primeiras perguntas aos convocados. Depois, os demais senadores que se inscreverem terão, entre 15 a 20 minutos cada, para formular questões e obter respostas de Queiroga e Barra Torres.

    Autor de um dos pedidos de convocação de Marcelo Queiroga, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) cobrará do ministro da Saúde esclarecimentos sobre elaboração de protocolos sobre isolamento social, compra de vacinas, emprego de medicamentos ineficazes e campanhas publicitárias, além de pedir avaliações sobre a postura do governo ao longo da crise de saúde provocada pelo coronavírus.

    Marcelo Queiroga prepara duas “boas notícias” para apresentar à CPI e, assim, enfrentar um clima menos hostil. Ele quer anunciar um contrato de compra de mais 100 milhões de doses da vacina Pfizer. O segundo anúncio seria um protocolo de tratamento da Covid-19 que exclua a utilização da cloroquina, medicamento ineficaz contra o coronavírus. Esse protocolo, contudo, ainda depende de aval de Jair Bolsonaro.

    Para Antonio Barra Torres, os integrantes da CPI endereçarão perguntas sobre os processos de análise e de autorização de imunizantes contra a Covid-19. Atualmente, o Brasil tem autorização da agência reguladora para aplicar os imunizantes CoronaVac, AstraZeneca/Oxford, e Pfizer.

    Há um movimento de parlamentares pela liberação da vacina russa Sputnik V, produzida no Brasil pelo laboratório União Química. Autor de um dos requerimentos de convocação de Barra Torres, Angelo Coronel (PSD-BA) afirma que o processo que levou à não liberação do imunizante russo pela Anvisa foi “envolto em polêmicas e supostas pressões de ambos os lados”.

    “Tal processo merece ser apreciado por esta CPI e por isso é imperiosa a convocação do diretor-presidente da Anvisa, senhor Antonio Barra Torres, para que explique os procedimentos da Agência neste processo”, disse Coronel.


Fonte: Blog Luciano do Vale

Nenhum comentário: