Aulas voltam com 100% dos alunos na rede estadual


         Sem nenhuma notificação de casos de covid-19 entre alunos, professores e servidores desde o início da retomada das aulas presenciais na rede estadual de ensino do Rio Grande do Norte, em 26 de julho, a expectativa é de que 100% dos estudantes voltem às escolas em 4 de outubro. Essa é a previsão de Getúlio Marques, titular da Secretaria de Estado da Educação, da Cultura, do Esporte e do Lazer (SEEC).

       Atualmente, a rede — que possui 429 mil alunos distribuídos em 588 escolas, segundo dados do Censo Escolar — está funcionando com aulas presenciais com 30% dos alunos, de modo que todos os estudantes possam comparecer às unidades em formato de rodízio semanal, onde as crianças e adolescentes se revezam entre ensino presencial e remoto.

        A autorização inicial ocorreu em 26 de julho, depois de um ano e quatro meses de paralisação por causa das restrições sanitárias impostas pela pandemia de covid-19. Os primeiros a retornarem foram alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental I e os da 3º série do ensino médio. Em 9 de agosto foi a vez de quem está no 6º e 7º ano do ensino fundamental e do 2º série do ensino médio voltar a assistir aula nas escolas. Por último retornaram os estudantes do 8º e 9º ano do fundamental, além daqueles que estavam entrando no ensino médio. Todas as turmas permanecem com 30% de ocupação presencial. As exceções são escolas de pequeno porte que já retornaram com 100% dos estudantes para dentro das salas de aula.

        O próximo passo é o aumento para 60% de ocupação nas escolas em 20 de setembro, até a autorização para a volta completa em 4 de outubro. Para Getúlio Marques, o monitoramento sanitário de combate ao coronavírus, que vem sendo feito com os 30% nas escolas, credencia o Estado a avançar na retomada da educação. “Ficamos muito felizes com essa retomada gradativa, que ajudou para que, neste período, oficialmente, não tivéssemos nenhuma notificação de casos [de covid-19] entre estudantes, professores e funcionários. Isso porque as escolas se prepararam para isso, com todas medidas sendo cumpridas, como álcool gel, distanciamento, máscara, lavatórios externos. O retorno está tranquilo, como a gente esperava”, reforça o titular da SEEC.

        Dentro do protocolo sanitário, a secretaria de Educação ressalta que o monitoramento também é feito junto aos pais dos estudantes para que um eventual caso de covid possa ser rastreado e isolado. “A gente sempre chama os coordenadores, professores, colaboradores, sobretudo de forma virtual, para que não haja relaxamento das medidas. Temos uma situação tranquila, também pelo avanço da vacinação, mas não podemos relaxar e precisamos manter o que está sendo feito, até porque mais alunos vão chegar agora. Os poucos casos que tiveram de gripes, tosse, foram isolados em uma sala, orientados a ficar em casa e testados. Isso tudo nos ajudou muito”, acrescenta Getúlio Marques.

       Com 300 alunos, a Escola Estadual Alberto Torres, no bairro de Petrópolis, Zona Leste de Natal, está funcionando com 100% de ocupação desde 30 de agosto. O retorno aconteceu com 50% da capacidade em 10 de agosto. De acordo com a diretora da unidade, Ilkécia Kalini, a escola recebeu o aval do Estado para retornar com ocupação total, após a primeira experiência com 150 estudantes sem nenhum registro de casos de covid durante 20 dias.


“Estamos assim desde 30 de agosto e vem sendo tranquilo nesse aspecto sanitário. O próprio número de alunos permitiu que a gente pudesse ter esse controle. Ainda é feito um rodízio, todos os alunos não vêm todos os dias porque temos atividades remotas. Conseguimos fazer toda a organização, dividir as carteiras conforme as orientações de distanciamento, adaptamos horários, reduzimos os intervalos e tudo isso vem dando um resultado positivo”, comenta a educadora.


Nas salas de aula, a retomada segura das atividades acadêmicas também conta com uma contribuição importante dos professores, que, além da função habitual, tiveram que assumir o papel de “fiscal sanitário”, principalmente entre as turmas mais novas. “Toda hora a gente precisa ficar orientando para usar a máscara corretamente. Às vezes é difícil um adulto usar, imagine uma criança, mas tem sido tranquilo. Temos conseguido manter o distanciamento, até porque a adesão dos alunos ainda não é tão alta, mesmo com a autorização para 100% dos alunos. Temos um longo caminho a percorrer para compensar as perdas na pandemia, mas estamos caminhando”, destaca Eliene Silva, professora de Geografia há seis anos na Alberto Torres.


SEEC avalia reforço para estudantes

      De acordo com o secretário Getúlio Marques, a SEEC desenvolve planos de trabalhos específicos para amenizar as circunstâncias adversas geradas na pandemia, que provocaram perdas significativas no aprendizado de crianças e adolescentes, seja pela falta de equipamentos eletrônicos para acesso às aulas em plataformas digitais, até a falta de engajamento ao ensino remoto, além da evasão escolar. O impacto, que afeta uma geração inteira de crianças, é consenso entre diretores acadêmicos, professores e gestores.

     A orientação é para que cada escola faça um diagnóstico interno para avaliar a situação dos estudantes, visando o nivelamento do ensino. A partir da identificação do problema, medidas como aumento da carga horária poderão ser adotadas. “Isso nos mostrará aqueles alunos que estão dentro do que era esperado com o ensino remoto e aqueles que estão mais distantes. Então para todos esses alunos são necessários planejamentos diferentes. Cada escola, com seus professores, faz um plano de estudo, portanto, não há uma definição de aumento de carga horária para todas as escolas porque cada caso é um caso. A ideia é ter um acompanhamento específico para grupos separados”.


TRIBUNA DO NORTE

Nenhum comentário: